Estudos indicam que a maioria das pessoas preferem o sabor doce. Mas sabe-se que o açúcar refinado e alguns adoçantes artificiais são também os vilões de uma dieta equilibrada. Por isso, a indústria alimentícia investe bastante para não perder esse público que está cada vez mais preocupado com a saúde, mas não abre mão de comer um docinho.

Vamos explicar um pouco as diferenças dos açúcares e adoçantes naturais, comparando com os adoçantes artificiais.

 

AÇÚCARES E ADOÇANTES NATURAIS

Açúcar de coco: É extraído do fluido das flores da palma de coco. É cheio de vitaminas e minerais, não é processado, nem filtrado e não contém conservantes, é 100% natural. Tem baixo índice glicêmico, quando comparado ao mel, melado e açúcar branco.

 

Mel: Tem muitos nutrientes e também conta com ação antimicrobiana, capaz de impedir o crescimento ou destruir micro-organismos e fungos e, assim, proteger contra doenças. Seu índice glicêmico é alto e, por isso, deve ser consumido com moderação por quem precisa controlar os níveis da glicemia.

 

Xilitol: O Xilitol é um álcool de açúcar, um poliól. É encontrado nas fibras principalmente das frutas e vegetais e de alguns cogumelos. Tem aparência e gosto bem parecidos com o do açúcar de cana, com 40% menos calorias e índice glicêmico de apenas 7, enquanto o do açúcar branco está entre 60 e 70. Estudos mostraram que o xilitol aumenta a absorção de cálcio no sistema digestivo, contribuindo para a saúde dos dentes e dos ossos.

Pode ser usado tanto em bebidas quanto na preparação de doces. É uma boa opção por ter baixo valor calórico e por suportar altas temperaturas, ótimo para adoçar bebidas e receitas diversas.

O maior cuidado a ser tomado com relação ao xilitol é na quantidade, pois ele pode causar efeito laxativo em altas doses.

 

Erytritol: É também um poliól e é encontrado naturalmente em algumas frutas e legumes. Ele tem poucas calorias, tem índice glicêmico zero e não eleva os níveis de açúcar no sangue. Além disso, seus carboidratos são absorvidas pelo o organismo em quantidades relevantes, ele é quase totalmente excretado através da urina.

Assim como o xilitol, ele adoça muito bem e não tem sabor residual, é ótimo para adoçar bebidas, doces e receitas. quanto na preparação de doces.

 

Stévia: É considerada uma planta medicinal e está na lista dos adoçantes naturais mais saudáveis. Não possui calorias e tem impacto zero na glicemia, por isso, é uma ótima opção para quem deseja emagrecer ou controlar os níveis de açúcar no sangue. Tem um poder adoçante muito alto.

O ponto negativo da stévia é seu sabor que pode ser levemente amargo, que é considerado desagradável por algumas pessoas.

 

COMPARATIVO DE ÍNDICE GLICÊMICO

A seguir, segue uma tabela comparativa de IG (índice glicêmico) que mede o quanto a sua glicemia sanguínea é elevada por um determinado alimento.

 

Adoçante

IG

Tipo

Carboidratos Líquidos (por 100g)

Calorias (por 100g)

Estévia

0

Natural

5

20

Inulina

0

Natural

1

150

Fruta-dos-monges

0

Natural

0-25

0-100

Tagatose

3

Natural

35

150

Eritritol

0

Álcool de Açúcar

5

20

Xilitol

13

Álcool de Açúcar

60

240

Maltitol

36

Álcool de Açúcar

67

270

Sucralose

0-80

Artificial

0

0

Aspartame

0

Artificial

85

352

Sacarina

Variável

Artificial

94

364

Açúcar Comum

63

Processado

100

387

 

 

ADOÇANTES ARTIFICIAIS

Os adoçantes artificias também conhecidos são obtidos através de processos químicos. Alguns não são metabolizados pelo organismo, mas podem apresentar possíveis interações com receptores do sabor doce, que estimulariam a liberação de insulina.

 

Sacarina: Embora seja mais de 300 vezes mais doce do que o açúcar, este substituto é, muitas vezes, misturado com outros compostos, devido ao fato de ter um sabor ligeiramente metálico. 

Por quase 20 anos, o programa de toxicologia dos EUA tinha esse adoçante em sua lista de substâncias cancerígenas. Em 2000, ele foi retirado dessa lista por suposta falta de provas, mas há controvérsias sobre os danos que a sacarina podem causar ao corpo. Por outro lado, ela faz parte dos compostos de adoçantes mais baratos e comuns no mercado.

 

Sucralose: A sucralose é 600 vezes mais doce que o açúcar e não contém calorias. É encontrada em uma série de produtos alimentares, especialmente os diet.

Vários estudos têm demonstrado que a sua composição química não é muito compatível com o sistema digestivo humano e que não pode ser completamente metabolizado pelo nosso organismo.

Algumas pessoas têm apresentado problemas gastrointestinais como diarreia, cólicas ou dores intestinais, dores de cabeça, irritação na pele, tonturas, edema ou agitação, quando ingerem essa substância.

 

Aspartame: Esse é um dos mais notórios adoçantes artificiais e tem sido alvo de reclamações e protestos há anos. Há controvérsias sobre os malefícios que causam à saúde, alguns estudiosos defendem que pode causar problemas neurológicos e psicológicos, como depressão, enxaqueca, mal de alzheimer, comportamento agressivo e tendências suicidas. Apesar disso, está inserido em muitos produtos feitos para os diabéticos.

 

CONCLUSÃO

Consumir pequenas quantidades de açúcar comum ou, melhor ainda, usar adoçantes naturais traz melhores benefícios a sua saúde e de sua família. Aproveite o que a natureza tem de melhor com equilíbrio e moderação.

 

Gislaine Donelli – Nutricionista

 

Fontes:

http://www.aapd.org/media/Policies_Guidelines/P_Xylitol.pdf

http://repositorio.uniceub.br/bitstream/235/9278/1/21137920.pdf

http://www.saense.com.br/2016/06/o-perigo-de-adocantes-em-alimentos-quentes-ou-acidos/.

https://primalbrasil.com.br/6519-2/

https://www.senhortanquinho.com/adocantes-low-carb-cetogenica-guia-completo/